• O que afeta o desempenho das placas de trânsito?

    • A população brasileira está envelhecendo e não são só as questões da previdência que desafiam a sociedade. Há impactos multissetoriais, que envolvem desde questões de mobilidade, de trabalho e até de saúde pública.

       Um dos espectros da complexidade que uma população mais idosa impõe ao gestor público se refere ao impacto da relação que esse grupo tem com o trânsito, seja quando o idoso está no papel de motorista, seja como pedestre nas vias públicas.

      Com o avanço da idade há um declínio de capacidades visuais e motoras importantes para se conduzir um veículo. Há aumento do déficit de atenção e redução geral da capacidade e acuidade visual, com estreitamento do campo de visão e maior sensibilidade ao brilho, além de uma visão noturna mais precária. A parte motora também se fragiliza, pois há diminuição da força muscular, da flexibilidade e amplitude de movimentos, além do tempo de reação que é majorado em virtude de reflexos mais lentos. Todas essas perdas – visual, cognitiva e psicomotora – acabam por prejudicar o ato de dirigir.

      Assim, podemos didaticamente categorizar para planejamento público os efeitos ou impactos a serem analisados quando se trata de:

       

      1. Mobilidade urbana de pedestres idosos
      2. Motorista idoso

       

      Tabela

      Basicamente, no que se refere à infraestrutura de sinalização vertical temos:

       

      • - Uso de sinalizações visíveis, porém com brilho adequado
      • - Aumento do tamanho das letras das placas

       

      A listagem não é exaustiva, devendo ampliar o espectro da análise a questões mais simples como tapar buracos e ter calçadas mais retas para evitar tombos.

      Quais são os problemas que afetam o desempenho das placas?

       

      Projeto dos faróis

       

      Faróis com baixa dispersão

      Desde o final dos anos 90, os fabricantes de veículos fizeram a transição para novos projetos de faróis, como os faróis visual/opticamente direcionáveis (VOA) ou faróis de baixa dispersão. Projetados como uma solução para reduzir o brilho do tráfego contrário, estes faróis têm um feixe luminoso preciso e horizontal e emitem pouca luz acima do nível do farol. Os faróis de baixa dispersão afetam muito a capacidade do veículo para iluminar placas de trânsito. Os modelos de faróis mais recentes nos EUA não iluminam da mesma forma os sinais de trânsito mais comuns (do lado direito) e nas distâncias normais em comparação a um veículo médio de 1997. Para um sinal normal, do lado direito, visto à distância de 100 a 300 metros, a iluminação diminuiu em cerca de 24% a 48% dos faróis modelos 1997 para os 2010¹. Com os novos faróis VOA vendidos em modelos de veículos de 2004 a 2011, alguns locais desfavoráveis (lado esquerdo e sinais suspensos) apresentaram iluminação um pouco melhor.¹ No entanto, considerando que uma placa no lado esquerdo obtém cerca de 20% da iluminação que é recebida por uma placa montada do lado direito e uma placa suspensa recebe 10%, essas sinalizações são muito prejudicadas por conta da baixa iluminação dos faróis.

      ¹Flannagan, M.J., and Schoettle, B., An Analysis of Low-Beam and High-Beam Headlighting Performance in the U.S.: 1997-2011, University of Michigan Transportation Research Institute, 2012. Fale com a 3M para obter o relatório completo.

       

      Veículos de tamanhos diferentes

       

      Veículos maiores, ângulos de observação diferentes

      Você sabia que o tamanho do veículo interfere na capacidade do motorista enxergar placas de trânsito à noite? A mesma placa pode parecer menos brilhante para o motorista de uma SUV e de um caminhão grande do que para o motorista de um carro de passeio.

      No que diz respeito à visibilidade noturna, os motoristas de veículos de grande porte têm ainda uma desvantagem particular: seu ângulo de visão (a medida da separação entre os olhos do motorista e seus faróis) é significativamente maior. Para saber mais, consulte o "Compreendendo a Angularidade".

      Qual a importância desta medida? Caminhões grandes podem ter o dobro do ângulo de visão do que veículos de passeio para a mesma distância. Isso significa que há muito menos luz refletida disponível para que os caminhoneiros vejam as placas. Os motoristas de veículos grandes podem ser muito beneficiados por placas feitas com uma película reflexiva de alto desempenho que retorna mais luz em um cone de refletividade maior.

      ¹ Commercial Motor Vehicle Facts - November 2011, U.S. Department of Transportation
      ² FHWA-HOP-13-001 - Freight Facts and Figures, 2012
      ³ FHWA-RD-98-117 - Understanding Traffic Variations by Vehicle Classifications

       

       

      Dúvidas?

      Fale com a 3M