• Aplicações de inovações para Odontopediatria

    julho 16, 2018

    Aplicações de inovações para Odontopediatria

    webLoaded = "false"
    • Um dos grandes desafios da Odontopediatria é o tratamento restaurador com eficácia, qualidade, rapidez e segurança, principalmente considerando que as crianças costumam não ficar quietas por muito tempo na cadeira do dentista e há um grande risco de contaminação, além da dificuldade técnica.

      A 3M desenvolveu produtos que podem ajudar na sua prática clínica! O uso de sistemas adesivos universais (ex: Single Bond Universal) torna-se bastante interessante, pela simplificação da técnica, quando utilizado na forma autocondicionante. A restauração também pode ser simplificada com o uso de resinas bulk (ex: Filtek™ One Bulk Fill), pois com apenas um incremento de até 5 mm é possível ganhar tempo, o que é importantíssimo para esse tipo de tratamento.

      Nesta edição da Oral Care News, convidamos o Prof. Fernando Borba de Araújo, um renomado professor de Odontopediatria, para compartilhar sua opinião sobre essas novas tecnologias, considerando sua ampla experiência no tratamento em Odontopediatria!

    •  

      Prof. Dr. Fernando Borba de Araujo
      Prof. Titular de Odontopediatria da FO. UFRGS, Porto Alegre – RS
      Prof. Especialização em Odontopediatria na Zenith - SC
      Doutor em Odontopediatria pela FO.USP, São Paulo – SP

    webLoaded = "false"
    • Quando se trata de Odontopediatria, os pacientes costumam ser bastante agitados! Qual sistema adesivo você recomendaria? Em qual protocolo? Qual a sua percepção clínica e educacional a respeito?
      Uma vez aderindo-se à proposta da Mínima Intervenção quando da abordagem em lesões cariosas superficiais e profundas em dentina, tanto em dentes decíduos, quanto em permanentes, a primeira alternativa recai para um sistema adesivo cuja literatura dá o devido suporte e assim o referenda tanto pelo seu mecanismo de ação quanto pela sua performance laboratorial e clínica. Isto posto, a tendência atual é pela escolha de um sistema adesivo de menor sensibilidade técnica (menos passos técnicos), que irão se refletir numa menor possibilidade de erros pelo profissional. Refiro-me ao Sistema Adesivo Autocondicionante, cuja proposta é oportunizar uma estratégia de união micromecânica e química (nano interação), proporcionando estabilidade ao longo do tempo quanto à resistência de união por conta de uma menor degradação enzimática e hidrolítica.

      Com o advento das resinas bulk fill, você enxerga que o mercado de Odontopediatria tem migrado de resinas estratificadas para as resinas bulk fill em dentes posteriores?
      Num primeiro momento, sim! A proposta é por demais interessante por várias razões. A primeira delas, pela facilidade da aplicação e a menor sensibilidade técnica por parte do operador! A literatura ainda não nos reporta resultados de ensaios clínicos a longo prazo, mas como o dente decíduo tem um ciclo biológico bem definido na cavidade bucal, pode-se considerar que este material passa a ser mais uma opção restauradora para a dentição decídua. Estudos clínicos que propuseram reparo nas restaurações com as resinas bulk fill aumentaram a longevidade das mesmas.

        Qual o principal benefício das resinas bulk fill no seu ponto de vista? Qual a percepção dos pais dos pacientes a respeito do tratamento?
      A redução do tempo clinico de atendimento! A simplificação de um procedimento restaurador pela adoção de um protocolo de mínima intervenção para lesões cariosas de cárie com extensão em dentina, associado aos uso dos adesivos autocondicionantes e de um material restaurador de incremento único, tornam a técnica menos sensível para o operador, eficaz e rápida, e consequentemente interferindo no comportamento psicológico do paciente infantil.

        Cápsula x seringa? Qual você utiliza mais e por quê?
      A Cápsula torna a técnica ainda mais fácil, uma vez que o material será introduzido na cavidade e a partir daí, com o auxilio de espátulas com extremidades arredondadas, adaptado nas paredes de fundo e laterais da mesma. Sugere-se atenção para cavidades proximais conservadoras, projetando-se nestes casos a colocação do material dispensado da seringa por conta da cápsula possuir uma embocadura maior do que o diâmetro da cavidade a ser restaurada.

    Conheça mais sobre nossos produtos.


    webLoaded = "false"

    Espero que tenham gostado. Aguardem nossa próxima edição!

    • Caroline Miyazaki - Relações Educacionais e Científicas 3M Oral Care